Q

Que tipo de educação precisamos para um novo pacto de sociedade no Brasil?

PUBLICADO EM September 22, 2020

Para uma formação integral e que diálogo com os desafios do país, é preciso que a aprendizagem seja diminuir e considerar o desenvolvimento de habilidades como pensamento crítico, empatia e responsabilidade social

Para que a educação consiga reduzir as desigualdades históricas do país, formar para a cidadania, fortalecer a democracia e dialogar com os desafios do mundo contemporâneo, um novo acordo é necessário e deve ser construído, em sinergia, por todos os agentes cumpridos no processo: gestores, educadores, alunos e famílias. Foi isso que abordou o terceiro webinário, realizado em 16/9, de uma série de sete encontros que a BEI Educação está promovendo em parceria com o Itaú BBA. Gina Vieira, professora e autora do projeto Mulheres Inspiradoras; Mozart Ramos, membro do Conselho Nacional de Educação; e Marcelo Costa, secretário municipal de educação de Goiás, respondeu a questão “Que tipo de educação precisa para um novo pacto de sociedade no Brasil?”. Confira algumas das propostas.

Proporcionar aprendizagens informativas

O que garante a aprendizagem do estudante é ser sujeito ativo no processo de aprendizagem. A construção de saberes mais acontece quando o educador opta por metodologias horizontais e participativas, que propiciam vivências e experiências. Nesse contexto e para responder à geração atual, a escola precisa ser desafiadora, despertar a curiosidade ea postura investigativa das crianças e adolescentes e levar os alunos a aplicar os conhecimentos na prática. Também cabe à escola desenvolver plenamente o potencial dos estudantes e aprender, em conjunto com a família, a definir o seu projeto de vida, entendendo que cada pessoa é única e singular.

Despertar o senso de cidadania e a consciência social

O domínio dos conteúdos é fundamental, assim como construir uma nação que ensina bem e consegue apresentar resultados satisfatórios. Mas a escola também deve garantir as ferramentas para o desenvolvimento da cidadania. “Educação é muito mais do que ter acesso aos conteúdos, é a capacidade de aplicá-los no dia a dia e em favor da sociedade”, diz Marcelo Costa. “Educação é um instrumento para que a gente possa viver e conviver melhor e desenvolver habilidades como o respeito e a empatia”.

Questionar os modelos tradicionais

Uma educação preocupada com o fortalecimento da democracia e com a formação para a cidadania precisa trazer algumas questões cruciais para o debate e colocar determinadas estruturas em cheque. Gina Vieira diz que a escola, originalmente, foi pensada para produzir obediência, confinamento e padronização cultural, valendo-se de um currículo eurocêntrico e branco, que valoriza os saberes dos povos do norte e ignora os do sul. “Temos que ter coragem de nos admitir como escola colonial, autoritária e instrucionista que, durante muito tempo e ainda em grande medida, esteve a serviço de endossar as desigualdades sociais.” Ela reforça a necessidade de uma educação que reconheça a riqueza da diversidade, que fale de sustentabilidade e que questione o modelo de sociedade baseado na exploração indiscriminada dos recursos e das pessoas.

Cuidar da formação dos professores

Para que essas transformações sejam possíveis, é preciso mudar a prática educacional. “A universidade – que faz a formação inicial e boa parte da educação continuada dos docentes – precisa entender que é necessário formar outro professor, mais inspirador, inovador e criativo, para dar conta dessa nova escola e poder avançar. Isso significa que uma universidade vai precisar se integrar à educação básica e fazer convênios com redes de ensino para ajudar na formação dos professores futuros ”, pontua Mozart Ramos. Nesse sentido, Gina Vieira afirma que a educação é o nosso bem mais precioso, e os professores e como professoras são as lideranças mais importantes de um país. “São eles os responsáveis ​​pelo desenvolvimento integral e pleno das crianças e adolescentes por formar cidadãos mais conscientes.”

Compartilhe