Arquitetura e acessibilidade devem estar associadas para garantir cidades mais inclusivas - BEĨ Educação
    Array
(
    [0] => :
    [1] => 
    [2] => beieducacao.com.br
    [3] => arquitetura-e-acessibilidade-devem-estar-associadas-para-garantir-cidades-mais-inclusivas
    [4] => 
)
  
Q

Arquitetura e acessibilidade devem estar associadas para garantir cidades mais inclusivas

PUBLICADO EM November 26, 2020

Assegurar que todos possam transitar por espaços públicos ou privados, frequentar diferentes locais e participar da vida social fortalece a cidadania e enriquece a experiência de viver em áreas urbanas

As cidades estruturam a vida social e formam o cenário onde vivemos, moramos, estudamos, trabalhamos e nos relacionamos com as pessoas. Quanto mais acessível e inclusiva for o seu projeto arquitetônico, mais condições ela terá de propiciar o exercício da cidadania de forma plena a todos os seus habitantes.

Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), de 2013, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 12,4 milhões de brasileiros, o equivalente a 6,2% da população, possuem algum tipo de deficiência, incluindo dificuldades motoras e sensoriais (auditivas ou visuais).

Ainda que a Lei de Acessibilidade (Lei 10.098/2000) tenha estabelecido regras e critérios para garantir os direitos de locomoção e participação dessas pessoas no contexto social, muitas ainda encontram grandes dificuldades. Esses entraves dizem respeito, sobretudo, à locomoção tanto no espaço urbano, em relação ao uso de vias públicas e transportes coletivos, quanto no ambiente interno de construções e edifícios.

A acessibilidade arquitetônica está relacionada à existência de uma série de recursos que propiciam a circulação e a permanência de todos os cidadãos com autonomia e segurança em diferentes espaços, públicos e privados. Ela deve ser considerada desde o momento em que um espaço é projetado até o seu acabamento, no que se refere a sinalizações e revestimentos de objeto e equipamentos urbanos. No caso de pessoas que têm mobilidade comprometida ou reduzida, elevadores e rampas de acesso, bem como a largura adequada de portas e corredores para permitir a passagem de cadeiras de rodas, são alguns desses elementos. Em relação a pessoas com dificuldades sensoriais, audioguias para deficientes auditivos e linguagem braile e pisos táteis para cegos constituem exemplos.

Uma cidade acessível e inclusiva é aquela que assegura a toda e qualquer pessoa transitar por espaços públicos ou privados sem que haja barreiras arquitetônicas que impossibilitem o convívio em áreas de acesso, circulação ou permanência. Os projetos arquitetônicos devem atuar no sentido de promover o convívio com a diversidade e oferecer igualdade de oportunidades para que todos os cidadãos participem da vida social.

Compartilhe
Educador - QR CODEEstudante - QR CODE